quarta-feira, março 14, 2012

Para a (minha) vida

Por um tempo ficou branco
Não mais teve aquele encanto
Tudo ali jogado no canto
Da saudade que dói, um tanto


Não precisa haver mais pranto
Desencontros vez em quando
Nada mais será enquanto
Eu te amar, o mesmo tanto

Um comentário:

Anônimo disse...

TIAGO, cada pranto que verte de um canto, deixa na alma suave acalanto.

Valerio Azevedo 15-03-2012